Um dos 13 Parques Naturais de Portugal continental é o Parque Natural da Arrábida, um pequeno gigante com caraterísticas únicas!

A cordilheira da Arrábida abrange os concelhos de Palmela, Sesimbra e Setúbal. Estende-se por cerca de 35km com uma largura de 6km, ocupando uma superfície de aproximadamente 17 mil ha e inclui diversas elevações nos arredores de Sesimbra, as colinas existentes entre o Outão e Setúbal e as serras do Risco, de S. Luís, do Louro, dos Gaiteiros, de São Francisco e a própria Serra da Arrábida.

O maciço da Arrábida, com uma altitude máxima de 501m no anticlinal de Formosinho, começou a ser formado no miocénico, acerca de 18 milhões de anos, mas as suas rochas mais antigas datam do Jurássico inferior que ocorreu há 200 milhões de anos.

CMS_Jazida de icnofósseis dos Lagosteiros_ António Chagas

Jazidas de icnofósseis dos Lagosteiros. Autor: CMS, António Chagas. 

A proteção do maciço iniciou-se nos anos 40, em 1976 a Serra foi classificada como Reserva Biogenética e deu origem ao Parque Natural da Arrábida.

No inicio da primavera, os nevoeiros matinais são comuns na Arrábida e favorecem o crescimento das árvores devido aos elevados índices de humidade que originam. Na vertente sul da Arrábida há povoamentos de bosque mediterrânico, uma relíquia com características que são similares às do último período glaciar. Algumas áreas como a Mata Coberta ou a do Solitário mantêm-se praticamente inalteradas. Encontram-se alfarrobeiras, carvalhos centenários, medronheiros, loureiros e até algumas espécies arbustivas que ao fim de décadas de crescimento atingem o porte arbóreo, tal como o carrasco (Quercus coccifera). Até ao século XIX era, ainda, possível observar lobos e veados!

A abundância de vegetação proporciona abrigo e alimento a diversas espécies de aves, tal como o pisco-de-peito-ruivo (Erithacus rubecula) e o chapim-real (Parus major). A região é povoada por um dos carnívoros mais comuns da Península Ibérica, a raposa (Vulpes vulpes).

Nas arribas viradas ao mar é possível encontrar o trovisco-do-espichel (Euphorbia pedroi), esta planta foi cientificamente descrita e classificada apenas há 15 anos, em homenagem ao botânico José Gomes Pedro, sendo uma espécie endémica da região. Única no mundo!

Por toda a Arrábida há evidências de uma história geológica muito rica! A colisão da Placa Africana com a região meridional da Placa Euro-asiática levou à formação dos relevos calcários, evidentes na falésia do Risco, uma escarpa marinha de composição calcária. A mais alta da Europa! São 380m que se elevam de um mar de águas calmas e transparentes!

ICNF_Escarpa do Risco_A.S.Palma

Escarpa do Risco. Autor: ICNF, A. S. Palma

Entre a Arrábida e o Cabo Espichel encontram-se algumas grutas imperdíveis! Uma das mais emblemáticas é a Gruta do Frade, com várias passagens, galerias, salas e lagoas, ao longo de 350m de extensão. Uma loucura!

CMS_ Gruta do Frade _ António chagas

Gruta do Frade. Autor: CMS, António Chagas

Ao largo da Arrábida a diversidade de animais marinhos é enorme, há cetáceos, aves e centenas de peixes que se desenvolvem a poucos km do estuário do Sado e, ainda, uma grande diversidade vegetal. Estão registadas mais de 1400 espécies! Em 1998, toda esta linha de costa, com uma área de 52 km2, foi classificada como área protegida dando origem ao Parque Marinho Luís Saldanha em homenagem ao biólogo do mesmo nome.

Para quem gosta de frequentar praias que cortam a respiração, nada melhor do que as Praias do Portinho da Arrábida e da Figueirinha, as maiores e mais conhecidas. Se falamos de pequenos refúgios então as Praias de Galápagos e Galapinhos são boas opções!

ICNF_Portinho da Arrábida e Galapagos_A. Muxagata.jpg

Portinho da Arrábida e Galápagos. Autor: ICNF, A. Muxagata

O Parque integra, ainda, património edificado bastante significativo, tal como a necrópole de hipogeus da Quinta do Anjo, diversas jazidas, o Castelo de Palmela e Sesimbra, o Castelo de Coina-a-Velha, o Forte da Arrábida, o Forte de Santiago do Outão, o Convento da Arrábida e o Santuário do Cabo Espichel, os moinhos de vento e o aqueduto da Arca d’Água, entre outros.

ICNF_Convento Novo da Arrábida_A. Correia.jpg

 Convento da Arrábida. Autor: ICNF, A. Correia

Uma das atividades humanas caraterísticas do Parque é o fabrico do queijo de Azeitão, com um sabor muito característico associado aos fatores ambientais próprios do maciço. É um queijo bastante apreciado! Os vinhos também são muito conceituados, destacando-se a casta Moscatel de Setúbal.

O Parque Natural da Arrábida encerra um património único! Fantástico! Maravilhoso! Faço votos para que um dia (próximo) se torne Património Mundial da Unesco! E vocês?

Rita Basto, Green

Bibliografia (texto e imagens)

  • Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). Áreas Protegidas – Parques Naturais – Parque Natural da Arrábida. Disponível em: http://www.icnf.pt. Acesso em 31 de Maio de 2016;
  • Luís Quinta e Ricardo Guerreiro (2013). Vida Selvagem – Arrábida da Serra ao Mar. disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=qKyYvT8TU4A. Acesso em 31 de Maio de 2016;
  • Câmara Municipal de Sesimbra (CMS). GeoCircuito de Sesimbra. Disponível em: http://www.cm-sesimbra.pt/geocircuito. Acesso em 31 de Maio de 2016.
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s